O que é ser homem em 2019?

O dia do homem chegou e aqui na VITO cada vez mais refletimos sobre o que é ser homem em 2019. Em contato com clientes, amigos e parceiros, conseguimos colocar no papel algumas ideias que nos orgulhamos de defender.

Anúncios

“Find Out Who You Are And Do It On Purpose”

O dia do homem chegou e aqui na VITO cada vez mais refletimos sobre o que é ser homem em 2019. Em contato com clientes, amigos e parceiros, conseguimos colocar no papel algumas ideias que nos orgulhamos de defender.

A primeira delas está conectada ao processo de evolução humana. No curso da nossa existência descobrimos muitas coisas: como produzir mais alimentos, como controlar epidemias, como nos locomover pelos ares, enfim, nunca foi tão bom viver no mundo, muito embora às vezes tenhamos o saudosismo de que antes era melhor, porque sempre descontamos as adversidades. Sempre nos imaginamos na época que o Brasil foi descoberto quase sempre sem considerar que àquela altura do campeonato não existia a medicina moderna, por exemplo. 

A era em que vivemos é a era da descoberta existencial. Já houve na história diversas épocas marcadas por questionamentos existenciais, mas nada comparado como o nível de acesso a informação atuais, experimentos científicos e tudo o mais que temos à disposição. Esse é um grande ponto para nós: se descobrir. Entender quem somos. Com absoluta certeza você já conviveu com alguém que sabia exatamente quem era e sabe o quanto isso pode ser realizador e trazer satisfação, a tal “joie de vivre”, a alegria de viver que os franceses dizem.

Quem exercita sua autenticidade buscando ou sendo o que é de verdade não só vive melhor por perseguir escolhas racionais que funcionam para si, como formato de relacionamento, ter ou não filhos, rotina, atividade física, preferências de fases de carreira, mas principalmente olha menos para o lado e faz o convívio em sociedade ser melhor. Se preocupa menos com a vida do vizinho, se ele dorme com outro homem ou com duas mulheres, se o vizinho pretende se casar ou virar padre.

A ideia por trás disso, para a VITO, é a ideia saudável de mudança de posição social do homem: de provedor e certo sobre tudo para a grande descoberta existencial que existe dentro de nós, o eterno aprendizado de viver, ver coisas novas, viajar e conhecer gente e ideias novas. Pode ser pelo livro ou pela Netflix, inclusive. Retomar ideias antigas que pareçam fazer sentido. Releituras de valores dos nossos avós. Não há problema algum em ser provedor, mas acreditamos que ser homem em 2019 é repensar quão provedor precisamos ser numa sociedade com cada vez mais protagonistas ao redor.

Manifesto Para Estar Bem

Se sentir mais si mesmo só é possível sendo mais autêntico, buscando aquilo que te preenche, que preenche as suas vocações. Alimente-se disso! A vida faz muito mais sentido quando estamos buscando nossa autenticidade.

“Numa sociedade cada vez mais dinâmica, as marcas mais poderosas e duradouras são construídas do coração”, disse o fundador do Starbucks, Howard Schultz, autor de outra ideia que achamos poderosa: “As empresas que duram são aquelas que são autênticas. Anúncio massivo pode ajudar a construir marcas, mas autenticidade é o que as faz durar”.

Durante esses anos de Vito, aprendemos com vocês como cada pessoa tem um estilo, como cada um de vocês tem uma forma de pensar, um jeito de arrumar o cabelo, de dar um tapa na barba, de curtir o final de semana e como a gente também era diferente de outras marcas. Cada pessoa tem sua própria essência e buscar ser autêntico é o que te torna único. Não importa se você vai pro seu trabalho de bike, metrô, carro ou helicóptero. Se você ESTÁ BEM consigo, tudo ao seu redor é contaminado positivamente e você consegue enxergar o quanto esse impacto vem de você.

É verdade que, como provavelmente todas as marcas do mercado de cuidado pessoal, nós acreditamos na beleza como ferramenta transformadora. Quem se sente bonito se sente bem, mais seguro e confiante. Porque se sente mais si mesmo. E se sentir mais si mesmo só é possível sendo mais autêntico, buscando aquilo que te preenche, que preenche as suas vocações. Alimente-se disso! A vida faz muito mais sentido quando estamos buscando nossa autenticidade.

Esse é um momento muito especial para nós porque finalmente conseguimos colocar nossa autenticidade no papel, cristalina, para todos aqueles que convivem conosco. Vamos dar um exemplo:

Aqui na Vito somos apaixonados pela brasilidade e mais ainda: pelo Brasil que dá certo. Valorizamos a boa malandragem e esse dom do brasileiro de “saber se virar”. Ou você vai dizer que você não ficou emocionado quando o Rick Chester, ex-ambulante de Copacabana, foi chamado pra dar palestra em Harvard? Quisemos incorporar esse DNA que já era muito forte no dia-a-dia, à nossa identidade visual, desde os posts no Instagram até as embalagens dos produtos.

Queremos agora incentivar que você também encontre a sua autenticidade. Essa é a nossa missão como empresa. Que tal começarmos com um exercício simples? Pense rapidamente uma coisa que você quer fazer no fim de semana que vem. Pode ser praticar um esporte (qual?), sair pra passear com seu cachorro (onde?) ou ir no cinema (pra ver qual tipo de filme?). Dizem que a primeira coisa que aflora no meio dos pensamentos é a que você mais quer fazer.

E aí? Quer se juntar a nós?

O que é nostalgia pra você? E saudade?

Qual foi o momento mais incrível da sua vida? Certamente te veio uma sensação boa! Relembrar os bons momentos passados faz bem, mas o sentimento de nostalgia pode te impedir de viver o futuro!

“Saudade é amar um passado que ainda não passou. É recusar o presente que nos magoa. É não ver o futuro que nos convida.”

A famosa frase do poeta chileno Pablo Neruda põe em palavras sentimentos comuns: o de saudade e o de nostalgia. Eles são diferentes? Sim!

Na saudade, há aquele pesar de algo que foi importante e hoje não temos mais. Diz sobre a distância, sobre a perda, mas ainda assim não quer dizer que ontem tenha sido melhor do que é hoje.

Já a nostalgia vem acompanhada da sensação de que o passado foi melhor que do é o presente, o que sem dúvida não é verdade.

Possivelmente você já falou algo do tipo: “naquela época eu era feliz e não sabia”. Pode ser que falou para se referir a um emprego anterior, ou mesmo à época em que você jogava bola na rua sem muitas preocupações além do dever de casa da escola.

Ter saudade do passado não é ruim, pelo contrário. Traz até felicidade e importante noção do valor de muitas coisas, o que torna o presente mais significativo e mais bem aproveitado. Mas, claro, se for saudade na medida certa. Se passar da medida, vira nostalgia.

Você pode lembrar com carinho das brincadeiras de criança – qual era a sua preferida, aliás? – ou mesmo da comida de sua avó. Você sabia que até existe o Dia da Saudade? Ele é comemorado em 30 de janeiro.

O problema é quando você tem a sensação de que hoje sua vida está um desastre e no passado tudo era muito melhor. Isso é nostalgia.

Problema porque essa sensação pode impedi-lo de ver as belezas da sua vida hoje, no presente, o que consequentemente o impede que vislumbre um futuro bacana.

Como você não é o Marty McFly Jr. – protagonista do filme De volta para o futuro, vivido por Michael J. Fox no clássico filme de 1985 – talvez seja melhor aprender a olhar o passado sem se desprender do presente. Como fazer isso?

Em primeiro lugar, você tem que repensar a ideia de saudade e de nostalgia. Uma é positiva, a outra negativa. Uma se resolve ao entrar em contato com alguém ou algum objeto que “mata a saudade”, a outra leva para uma ilusão, e pode paralisar ou começar a causar problemas? Um exemplo clássico? Pessoas que não conseguem, depois de uma separação, achar “graça” em mais ninguém. Certamente você já disse ou ouviu alguém dizendo: “Fulano vive de passado”. Fulano, na verdade, vive de nostalgia.

Quando despertar qualquer sensação que o leve para o passado como uma reação a algo que o incomoda no presente, tente bloquear os pensamentos negativos acerca do presente, ou especificamente do que o incomoda. Em resumo, tente evitar comparar as duas situações, essa do presente e a do passado.

Reviver algo legal para renovar as forças é uma coisa, voltar ao passado e usar determinado acontecimento para invalidar o momento presente é algo ruim. A linha pode ser tênue entre essas duas coisas.

Tendemos a bloquear traumas e demais acontecimentos negativos que nos acomete, por isso é fácil lembrar coisas do passado como se tivessem sido apenas boas. A nostalgia é perigosa porque vive do irreal. Nostalgia nunca acaba, afunda as emoções e cega para o que pode estar acontecendo de bom.

Pense nisso e, sim, morra de saudade, mas nunca de nostalgia.

Potencializando o seu cérebro para aumentar a produtividade

Produtividade, a mágica que mais diferencia as pessoas no mercado. Como você pode aumentar a sua? O segredo é entender o funcionamento do seu cérebro e dessa forma, maximizar o seu potencial. Confira algumas técnicas com a gente!

Quanto tempo você perde, por exemplo, pela manhã, para decidir o que vai vestir? Muito tempo? Você é o tipo que revira tudo – e todos os dias – a fim de escolher a roupa que mais atende ao seu estado de ânimo?

Você sabia que essas pequenas decisões – entre tantas outras – que tomamos pela manhã, demandam energia que pode determinar muitas decisões ou ações que vamos tomar durante todo o dia? O nosso cérebro começa o dia com uma capacidade limitada de tomar decisões. Quando você descansa, repõe essa “bateria do cérebro”, mas mesmo coisas aparentemente banais, como escolher a camisa de manhã, vão aos poucos esgotando esse estoque.

Pode ser que você ache que não renda muito pela manhã devido ao sono, mas é justamente pela manhã que o seu cérebro rende mais. Isso porque ele passou por um longo período de descanso. É claro que não dá para pular da cama e já começar a se exercitar ou abrir o computador para resolver problemas. Mas passada essa lentidão inicial, seu cérebro está pronto para mandar ver.

O que fazer, então, com as microdecisões do dia a dia? Há uma forma de não sofrer com elas – ainda que não percebamos tais problemas – e tornar nosso cotidiano mais produtivo? É o que vamos ver agora. O segredo é você extrair o máximo da sua capacidade cerebral, entendendo como esse órgão complexo funciona.

Muitas vezes, lemos por aí artigos que tratam de produtividade e condenam, por exemplo, o uso das redes sociais, ver televisão, ou mesmo bate papos com amigos do trabalho que, sim, admitimos, tomam tempo. Mas não precisamos de extremos.

Como valorizamos a naturalidade, que inevitavelmente leva à maior produtividade, ou a maior bem-estar, não queremos fazer uma lista de coisas que você deve evitar. Vamos apenas apontar algumas situações que são, de fato, potenciais de estresse para seu cérebro porque encadeiam e emaranham atividades e tudo acaba virando uma bagunça.

Assim, não precisa parar nada, deixar de fazer nada, apenas aproveitar melhor o tempo.

1) Não tente fazer tudo ao mesmo tempo

Sabemos na prática que é quase impossível. Costumamos – talvez você não, mas muita gente, sim – abrir os olhos, já pegar o celular e checar as notificações de WhatsApp, E-mails e redes sociais. A tentação pode ser grande de já começar a responder.

Acredite: isso já estressa muito seu cérebro e, inevitavelmente, faz com que você se perca nas tarefas da manhã: escolher roupa, arrumar mochila com os acessórios que precisará durante o dia.

Vale então outra dica: escolha tudo o que puder no dia anterior e deixe separado. Parece coisa de gente “certinha demais”? Você chega muito cansado e só quer “desencanar” para já pensar no dia seguinte? Nada disso. Aproveite esse momento do dia, em que sua cabeça está mais cansada, para justamente adiantar as tarefas banais da manhã do dia seguinte.

2) Aproveitamento do subconsciente

Depois de arrumar para o dia seguinte o que precisa, dedique minutos antes de dormir para revisar listas de tarefas importantes para o dia seguinte. É como se fosse uma reprogramação da mente, antes de dar descanso a ela. Daí, durante a noite, o seu subconsciente trabalhará por você.

Pela manhã, não que você terá todas as respostas prontas, mas suas emoções e sua intuição estarão mais preparadas para lidar com o dia pela frente. É como se você desse a elas – emoções e intuição – o briefing antes. E todo mundo sabe que saber do briefing das coisas antes é sempre melhor. Até indispensável.

Isso acontece porque mesmo quando você não percebe, o subconsciente está sempre trabalhando. O que você precisa fazer é dar a ele o estímulo inicial e ele se encarrega do restante. Parece mágica né? Pois é, Gandalf ficaria com inveja.

3) Data de início: adeus à procrastinação

Acredite você ou não, mas estabelecer uma data de início de qualquer coisa que você deseja, ajuda-o a começar. Não é mito. De alguma forma, é uma “promessa” que você passa a sentir que deve a você mesmo. E por uma questão psicológica, porque promessa não se quebra, nos sentimos no dever de cumpri-la. E acabamos cumprindo, viu?

Não tente planejar algo 100% antes de começar a sua execução. Pense um pouco, execute outro pouco para entender melhor a dificuldade do problema e vá ajustando o curso das coisas gradativamente. Muitas vezes durante a execução de um projeto você vai se deparar com dificuldades que jamais tinha imaginado. Nesse caso, de que terá adiantado passar tanto tempo pensando sem executar nada?

4) Produtivo ou atarefado?

É muito fácil confundir as duas coisas no dia a dia. Muitas vezes, ao achar que está arrasando porque faz muita coisa, você está apenas atarefado e tudo poderia ser muito mais simples.

E se você não sabe, o nosso cérebro não é multitarefas como se fala por aí. Ele funciona muito melhor trabalhando focado em uma coisa por vez. Fragmentar sua atenção não é produtividade e pode levá-lo a desperdiçar mais tempo, a correr mais riscos de fazer alguma bobagem e, principalmente, elevar sua carga de estresse.

Que tal fazer um teste? Conta para nós depois o que mudou na sua rotina!

A arte de saber usar ferramentas para ganhar tempo

Onde você vai se quiser comprar mais tempo? Não dá. Porém você pode otimizar o seu e aproveitá-lo melhor. Pensando nisso, selecionamos algumas dicas e reflexões sobre como é importante estar munido de ferramentas que vão te ajudar a otimizar suas rotinas.

Tempos atrás, falamos sobre a decisão de ir ou não morar sozinho. Cremos que todo mundo passa por esse questionamento em algum momento da vida. E, claro, como toda grande decisão, tem seus prós e contras.

Como arcar com os custos sem abrir mão da vida social? A verdade é que morar sozinho requer, sim, abrir mão de muita coisa. Fato. Agora, também tem lá seus prazeres e descobrimos que com os utensílios certos, tudo acaba bem.

Para o homem VITO, é fundamental otimizar o tempo para fazer outras coisas bacanas: investir em novo projeto, passar mais tempo com a pessoa amada ou com os amigos, fazer um curso diferente. Enfim, o que você quiser.

Por isso hoje queremos dar algumas dicas de utensílio para lá de úteis para o seu cotidiano. Tem coisas que temos certeza que você nem conhecia. Já coloca aí uma lista ao lado para providenciá-los o mais rápido que puder porque com certeza sua vida vai mudar para muito melhor.

Utensílios de cozinha

Para cozinha existem tantos itens interessantes que realmente não dá para selecionar um só. Vale a pena conferir esse vídeo e escolher o que atende melhor às suas necessidades.

O diferencial dessa sugestão é a seguinte: é mais fácil pedir comida pronta, claro, mas é maravilhoso cozinhar também. Um dos motivos do sucesso de programas como Master Chef é justamente a experiência da criação, que por si só é o máximo, mas quando envolve sabor, torna-se ainda mais interessante. E você ainda pode dividir essa experiência com alguém que ama.

Para você que não tem tempo, mas tem vontade de fazer algo, vale a pena ver isso.

Ferramenta multiuso – Tool Pen Mini

Essa é para quem gosta de praticidade e de tarefas domésticas variadas. A Tool Pen Mini tem o tamanho de uma caneta encorpada. Com o funcionamento parecido com aquelas lapiseiras antigas de grafite, só que mais grossa, a ponta rotativa serve como diversos tipos de chave: de fenda, Philips etc.

É utilíssima, e só sabemos disso quando estamos diante de uma situação difícil e não sabemos como resolver. Além do mais, é muito fácil de ser transportada. Você precisa de uma, vai por nós.

Robôs de limpeza

Você assistia Os Jetsons? No desenho animado, Rosie, a robô doméstica da família era responsável por botar a casa em ordem. Não tão inteligentes ou graciosos quanto a Rosie, mas muito práticos, já existem robôs domésticos que ajudam na limpeza da casa.

A remoção de partículas grandes, como de papéis amassados, ainda é complicada, mas esses robôs já ajudam muito na manutenção da limpeza e podem economizar muito tempo varrendo a casa para você. Enquanto isso você pode cuidar da sua barba, por exemplo.

Molde para desenhar a barba

Ele serve como molde para quem desenha a barba. Você pode usar uma lâmina de barbear, navalha ou até mesmo uma máquina elétrica para tirar os pelos necessários. Por que o molde é útil?

Usar um molde garante mais precisão e velocidade na hora de se barbear. O GIF abaixo mostra como usar o Alinhador para Barba. Economia de tempo somada à certeza de que sua barba vai ficar perfeita. É o que todo mundo sonha, certo?

GIF AlinhadorAlinhador para Barba de Madeira

Agora, pensa conosco…

Você precisa preparar uma noite perfeita para alguém. Com os utensílios de cozinha certos para fazer um prato saboroso – que vai acompanhar aquele bom vinho –, com a casa arrumada e limpa e uma barba perfeita, e tudo isso feito em espaço de tempo razoável, o restante da noite é só para aproveitar. E daquele jeito.

Como saber se você está patinando na vida?

Muitas vezes sequer percebemos que estamos tomados pela rotina corrida sem avançar em direção aos nossos sonhos. Nesse post separamos algumas dicas para você identificar se sofre desse mal.

Patinar. Essa palavra, cujo sentido literal significa deslocar-se sobre patins, foi estendida e hoje se refere também aquelas situações em que não saímos do lugar.

É normal “patinar”. Não se acanhe. Você provavelmente já deve ter se sentido assim, muitas vezes. Parece que fazemos, fazemos, fazemos, mas não alcançamos resultado e nem nos damos mal.

Terrível a sensação, não? Até o resultado negativo significa algum movimento. Terrível é não ter nenhum resultado. Já pensou nisso?

Hoje queremos dar algumas dicas para você não “patinar” mais. Ou não com tanta frequência, considerando que a vida tem dessas mesmo, e não dá para ser perfeito.

Primeira coisa: vamos fazer o diagnóstico de possível “estado de patinação”. Vamos levar com bom humor porque é um saco, concordamos. Como o homem VITO gosta de manter o foco, até para ter mais qualidade de vida, vamos à luta!

Ah! Já que nesse post vamos falar sobre como identificar os motivos desse problema que é “patinar” em situações, valer esse outro, que fala sobre como ser bem-sucedido nas metas de ano novo, no qual tratamos melhor sobre como dar o próximo passo e focar nas soluções.

1- “Sabe o que é…” Você sempre tem uma desculpa?

Para começar, seja sincero: você já se pegou dando desculpas para tudo? Se você é desses, possivelmente responderá “não, não dou desculpas para tudo”. Porque é mesmo difícil assumir isso.

“Não vendo porque falta produto”. “Não vou porque acabou meu vale transporte” ou “não vou porque gasta muito combustível”. “É impossível focar nisso agora porque estou sobrecarregado”.

Claro que, muitas e muitas vezes, tudo isso é verdade, Estamos suscetíveis ao meio em que vivemos e a todas as suas limitações. E, falando bem a verdade, nas cidades grandes isso de fato acaba com nossa energia para ser proativo ou começar algo novo.

Se você dá desculpas o tempo todo para não executar as coisas, talvez o problema seja você. É, sim, você. Não fuja.

Esse pode ser um sinal de que você está preso em sua zona de conforto e isso é perigosíssimo!

Isso acontece porque o cérebro naturalmente tende a tomar decisões que gastem o mínimo de energia possível, como um mecanismo de maximização dos recursos que você tem.

Você cria pseudoteorias que para você é a verdade absoluta. “Eu de fato não posso vender porque estamos com poucos produtos.” Será mesmo?

Se não dispuséssemos de um potencial de raciocínio enorme, essa condição do cérebro ainda seria útil. Mas não é o caso.

2 – Você nunca tem tempo para nada

Você precisa ir ao médico, renovar sua CNH ou resolver qualquer problema pessoal. Nunca, porém, arruma tempo, uma vez que você trabalha demais.

Faça uma lista das coisas que você sabe que precisa resolver. Agora, pense há quanto tempo você precisa fazer essas tarefas. Passou de dois meses?

Se você não tem tempo para fazer coisas básicas, como cuidar de você mesmo, significa que você provavelmente também não consegue se organizar profissionalmente para executar o que é importante e o que o levará para frente, tendo sua rotina tomada pelo urgente.

Falamos mais sobre o dilema do urgente versus importante no post sobre ser workaholic, que você pode ler depois.

3 – Observe suas amizades

Muitas vezes é difícil colocar um olhar crítico sobre nós mesmos. Sabe aquela história da visão viciada?

Caso você não tenha ouvido falar, a ideia é que quando você olha por muito tempo para uma tarefa ou situação, chega um ponto em que você não percebe erros ou deslizes. Por isso é necessário um olhar de fora para identificar esses problemas. Um dia, aliás, vamos falar sobre terapia como importante ferramenta para resolução de problemas que “achamos” que não temos.

Com a vida é a mesma coisa. Conhece alguém que olha mais sua vida do que você mesmo? Certamente não. Contudo, um jeito de identificar se você está estagnado é observar as pessoas ao seu redor. Já ouviu falar da teoria de que somos a média das cinco pessoas com quem mais convivemos?

Como assim?

Se as cinco pessoas com quem você mais convive estão estagnadas, é um sinal de que você provavelmente também está.

Se você se identificou com alguma dessas três dicas que demos sobre como constatar se você está sofrendo com falta de foco, ou seja, “patinando”, não fique preocupado.

Solução?

Vai aí uma prática e simples: erga a cabeça e encare os problemas. Simples assim.

Saber por onde começar é o primeiro passo. Simplesmente não perca mais tempo. Comece agora mesmo pelo que é possível começar.

E se você quiser começar agora, recomendamos mais uma vez nosso post sobre como ser bem-sucedido nas metas de ano novo. Há dicas muito úteis.

Afinal, você não precisa esperar o dia 31 de dezembro para melhorar, certo? Comece já!

Decisões que o homem toma pensando no relacionamento

Já comparou seus namoros ou casamentos com os dos seus avós? Com tanta mudança, se transforma o modo como tomamos decisões envolvendo a pessoa amada. Como os homens encaram esse novo cenário?

Você já reparou como a maneira de se relacionar a dois vem mudando com as gerações?

Falamos um pouco sobre como o mundo tem mudado no artigo sobre as mudanças na música. Agora, contudo, vamos focar em como o homem moderno vem encarando essa suposta nova maneira de se relacionar. Será que são todos?

Pense em como eram os casais em meados do século XX. A família quase sempre era composta pelo pai, que era o único mantenedor, enquanto a mãe cuidava da casa. Se um dos filhos fosse gay, por exemplo, sofreria não só com o preconceito da “sociedade” como com a não aceitação da própria família. Infelizmente, isso ainda acontece, embora, felizmente, cada vez menos.

Uma forma interessante de compreender como as coisas eram no passado é observando as propagandas. Não havia tolerância com a diversidade. Sequer a palavra diversidade. O que é importante salientar, uma vez que palavra é conceito e cada conceito pode abarcar uma visão de mundo muito complexa, às vezes

Todas as épocas produzem suas próprias bandeiras, seus próprios conceitos. Assim, para compreender o passado – a fim de compreender o presente e viver melhor nele – é preciso estar atento a essas palavrinhas que, mal colocadas, não ajudam em nada e só produzem mais confusão. Um olhar compreensivo sobre o passado permite que vivamos mais livres no presente. Compreensivo de compressão, não necessariamente de aceitação.

É sempre bom deixar claro que a VITO acredita totalmente na diversidade. Para nós, cada um pode e deve ser quem quiser. Mas somos também fruto dessa época, por isso nada mais natural que vivamos sobre os valores dessa época: diversidade, aceitação, respeito às diferenças.

Se você assistir propagandas antigas, provavelmente ficará chocado com o quão diferente era a mentalidade. Mas, lembre-se: “naquela época” a compreensão do mundo ao redor e das próprias pessoas em relação a elas mesmas era completamente diferente também. A História tem isso mesmo de curioso. As mudanças acontecem dentro e fora de nós. Nem sempre no mesmo compasso, às vezes até com muita resistência. Mas nunca é uma mudança só. São várias!

Há pouco tempo, os homens pensavam em construir uma família estável, ter uma esposa que cuidasse das crianças e da casa para que ele construísse uma carreira sólida numa grande empresa. Ainda há muitos que pensam assim e não há nada de errado nisso.

Estabilidade era uma palavra muito mais valorizada do que hoje. Ela era o cerne das decisões da família. Abria-se mão da realização pessoal em nome do bem-estar de todos. Hoje, no entanto, no que diz respeito a tudo isso, digamos que a vida ficou mais fluida e dinâmica.

Para começar, hoje, tanto homens quanto mulheres pensam duas vezes mais em si mesmos antes de tomar decisões. Tornamos-nos, indiscutivelmente, mais individualistas. Isso é bom? Alguns creem que sim. Outros, contudo, preferem pensar no coletivo. É possível pensar em si mesmo e no coletivo ao mesmo tempo? Quem é capaz de responder?

As pessoas também estão se casando muito mais tarde – e quando casam. Essa maior duração da vida de solteiro ajuda a amadurecer muitas coisas em nós mesmos, assim como também produz uma reação, demoramos mais para nos sentirmos responsáveis por determinadas coisas. Melhora na qualidade da vida afetiva, mas pode haver piora no “assumir de responsabilidades”.

As mulheres, por sua vez, estão assumindo cada vez mais um papel de destaque. Não é raro o maior salário do casal vir da mulher, o que tem uma consequência interessante: homens infelizes com seu trabalho podem se arriscar mais, trocar de carreira ou até começar um negócio próprio.

Há também, como reação, aquele que acha ruim que sua companheira ganhe mais. Assim como mulheres vez ou outra reclamam porque desejam ser “mais cuidada”. Nesse emaranhado de vontades, tudo depende da forma como cada um se vê e qual o papel que deseja desempenhar numa relação. Neste mundo em que não há mais certo e errado, moram mais incertezas. Ou mais liberdade, para os otimistas.

Quanto mais aberto para outras possibilidades um homem estiver, mais fácil será encontrar a satisfação. Hoje, cada um escolhe para si o que mais lhe faz bem. Não é mais preciso sofrer por um padrão estabelecido lá atrás que, sim, pode ser quebrado ou, se você é muito conservador, flexibilizado. Diversidade também tem a ver com isso: você pode manter-se como está. O que não é legal nunca é continuar infeliz, se você já sabe que algo não vai bem. Esse é, sem dúvida, o maior ganho de nossos tempos. Há saídas!

Essa maior abertura para mudanças permite que não tenhamos mais tanto medo de tomar decisões difíceis em um relacionamento, como uma eventual separação. E mesmo os filhos hoje em dia estão mais “fortes” caso venham a ter pais separados. É sempre uma questão muito complexa, que varia de caso a caso, mas essa maior liberdade para sermos quem quisermos ser é bom para todos, não acham?

Agora, falando sobre mente aberta e a busca por ser feliz individualmente, por que não comentar sobre homens que se cuidam?

Talvez você tenha começado a usar um produto para sua barba porque sua namorada te deu de presente e você, procurando deixá-la feliz, foi atrás de uma barba macia e mais bonita.

Ou então você talvez tenha buscado estar mais bonito e bem cuidado para ela – ou ele, claro! Mas vai dizer que você não gostou de começar a descobrir que você pode estar bem consigo mesmo sem precisar lidar com visões estereotipadas? Já percebeu quanto tempo faz que você não ouve a expressão “metrossexual”?

A sociedade se transformou e com ela o modo como os homens encaram os relacionamentos. Mas fato é que essa maior flexibilidade para ser quem queremos ser traz inúmeros benefícios para nós, mas não só. Traz benefícios também para quem convive conosco.

E você? Qual grande decisão já tomou pensando na pessoa amada? Você acha mais fácil se relacionar hoje do que foi no tempo dos seus pais?  Quais são os prós e contras dos tipos de relacionamentos de hoje. Queremos saber a sua opinião. Conta sua experiência nos comentários!